Agendar consultas médicas particulares a preços populares, de R$ 40,00 a R$ 120,00, avaliar os profissionais e ainda colaborar com a organização humanitária internacional Médicos Sem Fronteiras (MSF) se tornou realidade no mês de setembro de 2016 em Bauru, interior de São Paulo, a partir do aplicativo Salus. E em apenas 4 meses novos serviços foram incluídos, novas especialidades se juntaram e, a partir desta terça-feira (17), um Blog foi lançado.

Reunir saúde, tecnologia, informação e humanidade em um único ambiente acessado a partir de qualquer lugar do mundo é o propósito do aplicativo Salus, uma startup que teve sua origem no estúdio de startups Digital Labs.

Vinte especialidades e aproximadamente 200 tipos de exames já são oferecidos aos usuários do Salus. E quem ainda não se tornou um, basta fazer um cadastro descomplicado e de graça, sem qualquer tipo de exigência mínima ou limites, sem mensalidade, nada além do preço do serviço oferecido.

Já o Blog lançado no dia 17 traz artigos de especialistas e outros conteúdos relevantes produzidos por uma equipe sempre atenta e que escreve para todos os públicos, de dicas a informações que colaboram com a detecção de sintomas de doenças.

Novidades

Ainda no mês de janeiro, dia 23 os usuários do Salus poderão agendar checkups. Uma semana depois (30) as primeiras empresas parceiras poderão oferecer à equipe de trabalho acesso os benefícios do aplicativo a preços ainda mais baratos, contribuindo para uma melhor qualidade de vida dos profissionais e ainda contribuindo para que eles não dependam do Sistema Único de Saúde.

Já em fevereiro novas regiões serão atendidas. O Salus é uma startup que pode chegar a qualquer canto do Brasil, basta espalhar essa ideia.

Como funciona?

O aplicativo Salus pode ser baixado pelo Google Play ou App Store, respectivamente lojas das plataformas Android e iOS, para se ter acesso aos serviços disponíveis. Alg

Caso se interesse em agendar uma consulta, imediata ou futuramente, é solicitado ao usuário o preenchimento de um simples formulário.

Com o usuário criado, o paciente seleciona a especialidade e sua disponibilidade de horários. Ainda pelo aplicativo é confirmado o agendamento.

Após a consulta, todo o processo pode ser avaliado, contribuindo com a qualidade dos serviços prestados tanto pelos profissionais e quanto pelo aplicativo. Outros usuários também se beneficiam ao encontrarem especialistas bem avaliados.

E, por fim, parte do investimento feito pelo usuário é destinado à organização humanitária Médicos Sem Fronteiras para ajudar na sua missão de salvar vidas em situações como conflitos armados, desastres naturais, epidemias, desnutrição e ausência de acesso aos sistemas de saúde.

Com os valores que serão doados a organização pode adquirir, por exemplo, doses de vacina contra o sarampo, sachês de alimento terapêutico para tratar desnutrição, dentre outros (conferir tabela abaixo).

Quanto custa?

O aplicativo é gratuito, devendo ser baixado pelas lojas Google Play ou App Store. Não há a disponibilidade para a plataforma Windows Phone.

O preço das consultas varia de R$ 40,00 a R$ 120,00, de acordo com a especialidade. Ele equivale a cerca de 30% de uma consulta particular convencional e deve ser pago diretamente ao profissional da saúde.

Como surgiu o Salus?

O Salus surgiu de uma necessidade detectada pelo idealizador e cofundador do estúdio de startups Digital Labs, Anderson Arcenio.

No início de 2016, Anderson precisou de atendimento médico e foi atendido por um conveniado com seu plano de saúde. Durante a consulta ouviu uma queixa do médico referente ao valor pago pelas operadoras de planos de assistência médica.

Na saída, Anderson encontrou um conhecido que lamentava os valores elevados das mensalidades cobradas por conta de sua idade e a da esposa, já que conforme aumenta a faixa etária o plano encarece. E, ainda assim, encontrava dificuldades em conseguir um agendamento.

Logo, percebendo as necessidades de cada uma das pontas, um paciente e um médico, apresentou a demanda para a equipe Digital Labs, composta por nove pessoas.

Com a aprovação, a Digital Labs trabalhou todas as etapas do processo de criação do aplicativo e agora a comunidadepode usufruir.

Sua relevância

Para ilustrar um pouco do cenário nacional, relatório da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) indica que 1,64 milhão de beneficiários perderam seus planos de assistência médica entre junho de 2015 e 12 meses depois, o que equivale a 3,2% (de 50,12 milhões a 48,48 milhões).

E a preocupação do brasileiro com o segmento é confirmada por informações trazidas por pesquisa Ibope Inteligência: no País, planos de saúde só não são mais desejados por sua população do que casa própria e educação.

Sem comentários.