Segundo dados do IBGE, o Brasil tem cerca de 27 milhões de pessoas consideradas obesas.

A obesidade é uma doença crônica, que afeta um número elevado de pessoas por todo mundo. Ela é caracterizada pelo acúmulo de gordura corporal e pode acarretar graves problemas de saúde e levar até a morte.

A obesidade é diagnosticada através do cálculo do Índice de Massa Corporal (IMC), que é obtido através da divisão do peso pela altura elevada ao quadrado. De acordo com a OMS, Organização Mundial da Saúde, quando o resultado fica entre 18,5 a 24,9 kg/m², o peso é considerado normal. Entre 25 e 29,9 kg/m², sobrepeso, e acima deste valor, a pessoa é considerada obesa.

Essa classificação é importante na escolha do tipo de tratamento, quando deve ser clínico ou cirúrgico.

A obesidade é fator de risco para várias doenças. A pessoa com obesidade tem mais propensão a desenvolver problemas com hipertensão, doenças cardiovasculares, diabetes tipo 2, além de problemas físicos como artrose, pedra na vesícula, artrite, cansaço, refluxo esofágico, tumores de intestino e de vesícula.

Além de doenças físicas e corporais, a obesidade pode mexer com fatores psicológicos, como a baixa autoestima e a depressão.

Segundo dados do estudo Vigitel, do Ministério da Saúde, a obesidade aumentou 60% na última década entre os brasileiros. E junto com a obesidade aumentaram os casos de diabetes e pressão alta.

As pessoas que sofrem de obesidade possuem maiores chances de terem seus vasos sanguíneos comprimidos em razão principalmente do consumo excessivo de alimentos que fazem mal à saúde. E essa compressão dos vasos é o que resulta na pressão alta.

A obesidade também pode causar diabetes do tipo 2. O excesso de peso causa uma resistência do organismo à insulina, que é o hormônio responsável pela regulação dos níveis de glicose. Sem ter uma regulação no organismo, as chances de desenvolver a diabetes do tipo 2 crescem consideravelmente.

Tratamento e prevenção

A mudança de estilo de vida, com reeducação alimentar e atividade física é a base do tratamento clínico da obesidade. Sem esses dois passos, dificilmente se atingirá uma perda de peso necessária para melhorar a saúde e, tão pouco, essa perda será duradoura.

A reeducação alimentar é fundamental, pois através dela, reduz a ingestão calórica total e o ganho calórico decorrente. Esse procedimento pode necessitar suporte emocional ou social, através de tratamentos como, psicoterapia individual, em grupo ou familiar.

A orientação dietética é fundamental. A mais aceita cientificamente é a dieta hipocalórica balanceada, na qual o paciente receberá uma dieta calculada com quantidades calóricas dependentes de sua atividade física.

Outro ponto importante no tratamento da obesidade é a atividade física. O exercício físico apresenta uma série de benefícios para o paciente obeso, melhorando o rendimento do tratamento com dieta. Entre esses benefícios estão:

  • Diminuição do apetite
  • Aumento da ação da insulina
  • Melhora do perfil de gorduras
  • Melhora da sensação de bem-estar e autoestima.

Para realização da prática física, o paciente deve ser orientado por um profissional. Os exercícios devem ser regulares e com pelo menos de 30 a 40 minutos e ao menos 4 vezes por semana. A simples recomendação de caminhadas rotineiras já provoca grandes benefícios, estando incluída no que se denomina mudança do estilo de vida.

Medicamentos

No Brasil, hoje, existem poucas opções de medicamentos liberados para ajudar no tratamento. A indicação de se associar medicamentos ocorre quando há dificuldade de perda de peso somente com a mudança de estilo de vida ou quando existe necessidade de ajudar a tratar certos comportamentos alimentares, associados principalmente a alterações emocionais.

Cirurgias

As operações bariátricas e metabólicas têm sido cada vez mais indicadas ao tratamento da obesidade e de suas doenças associadas.

As indicações atuais são para paciente com Índice de Massa Corpórea (IMC) acima de 40 kg/m² e pacientes com IMC maior que 35 kg/m², que apresentem comorbidades (doenças agravadas pela obesidade e que melhoram com o tratamento eficaz) que ameacem a vida, tais como diabetes tipo 2, apneia do sono, hipertensão arterial, doenças do colesterol, doença coronariana, osteoartrites e outras.

Quer agendar um check-up com preço acessível e com facilidade? Baixe nosso aplicativo Salus e confira nossos profissionais e especialidades disponíveis.

Sem comentários.